"Comunicando o amor de
Deus através da música!"

Imagem de Nhá Chica é colocada na matriz

04 NOV 2015
04 de Novembro de 2015

A noite da última terça-feira (03) foi de muita alegria para os devotos da bem-aventurada Francisca de Paula de Jesus, a Nhá Chica. 

Durante uma missa festiva a Paróquia Nossa Senhora de Fátima de Pouso Alegre (MG) entronizou a imagem da beata Nhá Chica em um altar especialmente preparado para ela.

Uma relíquia da bem-aventurada foi apresentada a comunidade e colocada ao lado da imagem. Os fragmentos ósseos de Nhá Chica foram ofertados pelo bispo da Diocese da Campanha (MG), Dom Frei Diamantino Prata de Carvalho, OFM, à comunidade paroquial.

No início da celebração o pároco de Fátima, padre Adriano São João, fez a leitura da biografia da beata. Também foi apresentado o documento que comprova a veracidade da relíquia que a paróquia recebeu.

Ao final da Santa Missa a imagem que estava no presbitério foi abençoada pelo presidente da celebração e levada pelos devotos até o nicho construído ao lado da porta central da matriz. A efígie possui um metro de altura e foi confeccionada na cidade de São João del-Rei (MG).

Diante da imagem, já colocada no novo altar, os fiéis rezaram uma oração pedindo a intercessão da bem-aventurada. Após a bênção final os devotos passaram diante da relíquia para venerá-la.


“Mãe dos Pobres”

Filha de ex-escrava, Nhá Chica nasceu em meados de 1810, em Santo Antônio do Rio das Mortes, distrito de São João del-Rei (MG). Aos oito anos mudou-se para Baependi (MG), com o irmão e a mãe. Pouco tempo depois, aos 10 anos ficou órfã. 

Sozinhos no mundo, Francisca de Paula e Teotônio, cresceram sob os cuidados e a proteção de Nossa Senhora. Em Baependi, viveu uma vida de caridade. Nunca se casou. Rejeitou com liberdade todas as propostas de casamento que lhes apareceram. Foi toda do Senhor.

Se dava bem com os pobres, ricos e com os mais necessitados. Atendia a todos os que a procuravam, sem discriminar ninguém e, para todos tinha uma palavra de conforto, um conselho ou uma promessa de oração. Tal atitude lhe conferiu o título de "mãe dos pobres".

Ainda em vida Nhá Chica passou a ser aclamada pelo povo como "a Santa de Baependi", por sua fé e clarividência. Sua morte ocorreu em 14 de junho de 1895, estando com 87 anos de idade.

Processo

Antes de se tornar santo, o candidato é reconhecido como servo de Deus, venerável e beato (bem-aventurado), com o reconhecimento de um milagre. O título de santo só é concedido a quem tem dois milagres reconhecidos pela Igreja.

O início da campanha pela canonização de Francisca de Paula de Jesus se deu pela primeira vez em 1952. Depois de alguns anos uma nova instalação da Comissão em prol da Beatificação teve início em 1989 e depois foi instalada em definitivo em 1992. Mas em 1991, Nhá Chica já tinha recebido da Congregação das Causas dos Santos do Vaticano o título de serva de Deus e, no começo de 2012, foi reconhecida como venerável.  

Nhá Chica foi elevada à honra dos altares pela Igreja no dia 4 de maio de 2013, dia de sua beatificação. Hoje é reconhecida como bem-aventurada Francisca de Paula de Jesus, sendo o dia 14 de junho, data de sua ida para junto do Pai Celestial, o dia oficial da celebração de sua festa. (Com informações da Associação Beneficente Nhá Chica)

 

* Imagens: Éder Couto/Pascom Fátima



[+] Leia também:

Marcada a data da entronização da imagem de Nhá Chica na matriz

Paróquia de Fátima adquire e expõe imagem de Nhá Chica 



Voltar